Supremo Tribunal Federal analisa a tributação do IRPJ e CSLL sobre valores recebidos a título de atualização de valores pagos indevidamente com base na taxa Selic

Por: Mauricio de Carvalho Silveira Bueno e Lucas Martini de Aguiar

14 Outubro 2019

Dentre diversas questões de natureza tributária pendentes de consolidação de entendimento por parte das Cortes Superiores, uma delas está relacionada à incidência do IRPJ e da CSLL sobre a Taxa Selic (juros de mora e correção monetária) recebida pelo contribuinte na repetição do indébito tributário – objeto do RE n.º 1.063.187, Tema 962 de repercussão geral no âmbito no E. Supremo Tribunal Federal.

A discussão é importante na medida em que repercute sobre uma ampla gama de casos de natureza tributária. Isso porque, via de regra, os valores recolhidos indevidamente pelos contribuintes são atualizados pela Taxa Selic, quando recuperados pela via da compensação ou da repetição de indébito; da mesma forma, eventuais depósitos judiciais são atualizados por tal indexador.

Nesses casos, de acordo com o entendimento das autoridades fiscais, o valor correspondente à aplicação da taxa Selic sobre o indébito a ser recuperado seria tributável pelo IRPJ e CSLL, por, supostamente, representar receita nova.

Ocorre que, a esse respeito, é necessário se atentar à natureza híbrida da taxa Selic, que embora tenha se originado como um instrumento de política monetária, para fins tributários, é consensualmente concebida como um índice que contempla tanto a atualização monetária, quanto a aplicação de juros de mora sobre os valores envolvidos.

Por conta disso, seria possível sustentar que o valor correspondente à atualização do indébito pela Taxa Selic não está sujeito à tributação do IRPJ e CSLL, já que a correção monetária visa tão somente preservar economicamente o poder de compra da moeda em face à inflação, ao passo que os juros moratórios possuem nítido caráter indenizatório, pois objetivam tão somente ressarcir o contribuinte que teve a indisponibilidade de parte de seu capital temporariamente tolhida a título de pagamentos de tributos indevidos.

Considerando o atual posicionamento das autoridades fiscais sobre a matéria, para evitar risco de autuação fiscal, é possível a propositura de medida judicial buscando afastar a incidência do IRPJ e da CSLL sobre os valores recebidos a título de atualização de valores pagos indevidamente com base na Taxa SELIC.

Notícias relacionadas

Carreira

Huck Otranto Camargo atua nas principais áreas do Direito, com ênfase em contencioso e arbitragem, societário, contratual, tributário, imobiliário, trabalhista, entretenimento, mídia, tecnologia, internet e esportes, propriedade intelectual, família e sucessões, recuperações judiciais e falências e direito administrativo.

Sob modelo próprio de gestão, o escritório apresenta um plano de carreira original e sintonizado com o espírito empreendedor dos sócios, desde seu ingresso no escritório.

Os estagiários são tratados como potenciais sócios. Seu treinamento visa envolvê-los progressivamente em todas as etapas de um caso, desde as pesquisas até a definição e execução da estratégia mais adequada. A organização das equipes e dos setores permite que os estagiários tenham contato com advogados de outras áreas, possibilitando a eles identificar a área de seu maior interesse. O objetivo é oferecer a todos a oportunidade de aprendizado intenso, de forma a complementar seus estudos universitários e prepará-los profissionalmente para novos desafios e responsabilidades.

Carreira

Áreas de interesse

| 0k

Mensagem enviada!

Endereços

São Paulo | SP

Av. Brigadeiro Faria Lima, 1744
6º andar - 01451 910
+55 11 3038 1000

Ver no Google Maps

Brasília | DF

SHS, Quadra 06 – Complexo Brasil XXI
Bloco C – Salas 506/507 - 70322-915
+55 61 3039 8430

Ver no Google Maps

Endereços

Endereços