CVM aprova nova regra sobre Fundos de Investimento em Participações (FIPs)

Por: Bruno Robert e Tiago Molina Ferreira

15 Setembro 2016

A Instrução CVM n.º 578/2016, publicada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) em 30 de agosto de 2016, atualizou o regime regulatório aplicável à constituição, ao funcionamento e à administração de Fundos de Investimento em Participações (FIPs).

A Instrução é resultado das discussões da minuta submetida à Audiência Pública da Superintendência de Desenvolvimento de Mercado – SDM n.º 05/2015, que ocorreu no final de 2015 e contou com a participação de diversas instituições, entre os quais BM&FBovespa, ABVCAP e ANBIMA.

A nova Instrução tem por objetivo unificar e modernizar as regras aplicáveis aos FIPs, fundos que investem em participações societárias com a finalidade de atuar na gestão e desenvolver os negócios das sociedades investidas.

Sob o novo regime, os FIPs são classificados em 5 categorias distintas, de acordo com a composição de suas carteiras: (i) Capital Semente; (ii) Empresas Emergentes; (iii) Infraestrutura (FIP-IE); (iv) Produção Econômica Intensiva em Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (FIP-PD&I); e (v) Multiestratégia. Cada uma das categorias de FIPs se sujeita a regras especiais previstas na Instrução, além do regime geral aplicável genericamente a todos os FIPs.

Entre as especificidades de cada categoria, as sociedades investidas por FIPs – Capital Semente, por exemplo, estão dispensadas do cumprimento de práticas de governança que, em regra, são compulsórias para viabilização de investimentos por FIPs classificados nas demais categorias, tais como: (i) proibição de emissão de partes beneficiárias; (ii) mandato de conselheiros por até 2 anos; (iii) disponibilização de determinadas informações (contratos com partes relacionadas, acordos de acionistas e programas de opção); (iv) resolução de conflitos por arbitragem; (v) auditoria anual das demonstrações contábeis; e (vi) em caso de companhias abertas, adesão a segmento especial de listagem.

Além da classificação dos fundos nas categorias mencionadas acima, a Instrução traz outras inovações relevantes. Uma das principais alterações é a possibilidade de investimento em sociedades limitadas, com o objetivo de “desenvolvimento de startups e empreendedores de pequeno porte em diferentes segmentos de negócios”. Sob o regime regulatório anterior, os fundos tinham seus investimentos restritos a sociedades por ações, fechadas ou abertas.

Outra alteração promovida pela Instrução é a possibilidade de realização de investimentos no exterior, igualmente vedados pela regra anterior. Nesse sentido, a Instrução permite que os FIPs – Multiestratégia invistam até a totalidade de seu capital em ativos emitidos ou negociados no exterior, observadas as seguintes condições: (i)previsão de tais investimentos no regulamento; (ii) participação exclusiva de investidores profissionais; e (iii) utilização do termo “Investimento no Exterior” em sua denominação.

Apesar de trazer inovações ao regime aplicável aos FIPs, a Instrução também conserva regras já estabelecidas. Por exemplo, mesmo diante da manifestação da BM&FBovespa pela liberação da possibilidade de investimento em quotas de FIPs a quaisquer investidores interessados, a CVM manteve a obrigatoriedade de que os cotistas dos FIPs sejam investidores qualificados, tendo em vista a “complexidade” e o “nível de risco” destes veículos de investimento.

Os FIPs e os Fundos Mútuos de Investimento em Empresas Emergentes (FMIEE) registrados perante a CVM na data de publicação da Instrução terão o prazo de 12 meses para se adaptarem ao novo regime. Excepcionalmente, em caso de oferta pública de cotas, registrada ou dispensada de registro, a adequação às novas regras por fundos já registrados deve ocorrer simultaneamente ao início da oferta.

Notícias relacionadas

Carreira

Huck Otranto Camargo atua nas principais áreas do Direito, com ênfase em contencioso e arbitragem, societário, contratual, tributário, imobiliário, trabalhista, entretenimento, mídia, tecnologia, internet e esportes, propriedade intelectual, família e sucessões, recuperações judiciais e falências e direito administrativo.

Sob modelo próprio de gestão, o escritório apresenta um plano de carreira original e sintonizado com o espírito empreendedor dos sócios, desde seu ingresso no escritório.

Os estagiários são tratados como potenciais sócios. Seu treinamento visa envolvê-los progressivamente em todas as etapas de um caso, desde as pesquisas até a definição e execução da estratégia mais adequada. A organização das equipes e dos setores permite que os estagiários tenham contato com advogados de outras áreas, possibilitando a eles identificar a área de seu maior interesse. O objetivo é oferecer a todos a oportunidade de aprendizado intenso, de forma a complementar seus estudos universitários e prepará-los profissionalmente para novos desafios e responsabilidades.

Carreira

Áreas de interesse

| 0k

Mensagem enviada!

Endereços

São Paulo | SP

Av. Brigadeiro Faria Lima, 1744
6º andar - 01451 910
+55 11 3038 1000

Ver no Google Maps

Brasília | DF

SHS, Quadra 06 – Complexo Brasil XXI
Bloco C – Salas 506/507 - 70322-915
+55 61 3039 8430

Ver no Google Maps

Endereços

Endereços